No Topo do Mundo

o Topo do Mundo
Com o fim do Ramadã, tivemos alguns dias de feriado.
Aproveitei a folga e, junto com alguns amigos, viajamos para Skardu, na região do Baltistan, norte do Paquistão.
Skardu é situado no Skardy Valley, na confluência de dois rios, Indus River e Shigar River.
Skardu é uma pequena cidade localizada a 2.500 metros de altura e cravada no meio de imensas montanhas. Os peicos ao redor chegam a até 8000 metros de altura.
é estonteante.
Partimos de Islambad e, em pouco menos de uma hora aterrisamos no aeroporto da cidade. A viagem já é uma coisa impressionante.
Em alguns momentos tem-se a impressão que estamos abaixo de alguns picos. Avistei o K2, o segundo pico mais alto do mundo, depois do Everest.
A temperatura estava excelente, variando de 27°C até 10°C, à noite.
Ficamos hospedados no Shigar Fort Residense, um lindo  e antigo palácio/forte de um Raja. O hotel, restaurado, tem mais de 400 anos de idade e é excelente.
Shigar Fort Residense foi nossa base para os passeios a pé e de 4X4 pela região.
Visitamos o Deosai National Park, fica num platô com 3.000 quilometros quadrados, e mais de 4.100 metros de altura, numa área totalmente preservada. O caminho é íngreme e sinuoso, a paisagem e a vista são deslumbrantes.
Visitamos os lagos, a imagem de Buda esculpida na pedra, do século VII. Almoçamos no hotel Shangri-la, fomos às compras onde praticamos a famosa arte da barganha.
Um dos pontos mais deliciosos foi uma vista a um amigo, que é piloto de helicóptero do exército. Ele é major e nos recebeu com extrema simpatia.
Visitamos os hangares, subimos nos helicópteros que são utilizados para resgate dos montanhistas e da população.
Passamos toda uma tarde ouvindo histórias de resgates audaciosos e perigosos.
Ele nos contou que cerca de vinte pessoas perdem a vida todos anos neste esporte. E que, muitas vezes, eles tem que escolher entre salvar uma pessoa e deixar outra moorer, por falta de condições climáticas e tempo.
Um frase ficou guardada na minha memoria. Ele me disse: “Tenho o melhor emprego do Paquistão”. Vive na base da aeronáutica coma mulher e dois filhos pequenos. Parece estar em paz com ele e com o mundo.

Com o fim do Ramadã, tivemos alguns dias de feriado.

Aproveitei a folga e, junto com alguns amigos, viajamos para Skardu, na região do Baltistan, norte do Paquistão.

A cidade é situada no Skardu Valley, na confluência do Indus River e do Shigar River.

Skardu é uma pequena cidade localizada a 2.500 metros de altura e cravada no meio de imensas montanhas. Os picos ao redor chegam até 8.000 metros de altura. É estonteante.

Voando para Skardu

Voando para Skardu

Partimos de Islambad e, em pouco menos de uma hora, aterrisamos no aeroporto da cidade. A viagem já é uma coisa impressionante.

Durante o vôo, em em alguns momentos, tem-se a impressão que estamos abaixo de alguns picos. Avistei o K2, o segundo pico mais alto do mundo, perde apenas para o Everest.

A temperatura estava excelente, variando de 27°C até 10°C, à noite.

A Chegada no Aeroporto

A Chegada no Aeroporto

Ficamos hospedados no Shigar Fort Residense, um lindo  e antigo palácio/forte de um antigo Raja. O hotel, restaurado, tem mais de 400 anos de idade e é excelente, com uma boa comida paquistanesa no menu.

Shigar Fort Residense foi nossa base para os passeios a pé e de 4X4 pela região.

O Excelente Hotel

O Excelente Hotel

O Platô a 4.100m de Altura

O Platô a 4.100m de Altura

Visitamos o Deosai National Park, fica num platô com 3.000 quilometros quadrados e mais de 4.100 metros de altura, numa área totalmente preservada. O caminho é íngreme e sinuoso, a paisagem e a vista são deslumbrantes.

Paulo no Deosai National Park

Paulo no Deosai National Park

A Marmota Dourada no Parque

A Marmota Dourada no Parque

O Pastor de Ovelhas

O Pastor de Ovelhas

Visitamos os lagos, a imagem de Buda esculpida na pedra, do século VII. Almoçamos no hotel Shangri-la, fomos às compras onde praticamos a famosa arte da barganha.

No Caminho para o Parque

No Caminho para o Parque

Um dos pontos mais deliciosos foi uma vista a um amigo, que é major, piloto de helicóptero do exército. E nos recebeu com extrema simpatia.

Visitamos os hangares, subimos nos helicópteros que são utilizados para resgate dos montanhistas e da população.

Passamos toda uma tarde ouvindo histórias de resgates audaciosos e perigosos.

O Helicóptero de Resgates Russo, M171

O Helicóptero de Resgates Russo, M171

Paulo no Comando do M171

Paulo no Comando do M171

Ele nos contou que cerca de vinte pessoas perdem a vida todos anos neste esporte. Disse que, muitas vezes, tem que escolher entre salvar uma pessoa e deixar outra moorer, por falta de condições climáticas e tempo.

Um frase ficou guardada na minha memoria. Ele me disse: “Tenho o melhor emprego do Paquistão”. Vive na base da aeronáutica coma mulher e dois filhos pequenos. Parece estar em paz com ele e com o mundo.

Uma viagem ao topo do mundo, inesquecível.

Ponte Sobre o Rio

Ponte Sobre o Rio

Paisagens Deslumbrantes

Paisagens Deslumbrantes

Crianças no Caminho

Crianças da Região

Mais Pontes na Caminhada

Mais Uma Ponte Durante a Caminhada

Difícil Travessia

Difícil Travessia

Fotos: Paulo Siqueira

Tags: , , ,

19 Responses to “No Topo do Mundo”

  1. Ricardo Lopes says:

    Deslumbrante. Essa região foi um Reino Budista entre os séculos III e IV. Por falar nisso, cadê a foto do Buda de pedra? Abraço.

  2. Vicente says:

    Fantástico!

    Nossa cara!
    Seu blog parece um filme!

    E o helicóptero, difícil de pilotar?

    Abraço!

  3. Valeria says:

    Oi Paulo. As fotos de sua nova viagem estão lindas. Pena vc não ter postado mais fotos do hotel tão antigo. Parece ser maravilhoso. E como é a comida paquistanesa? bjs e grata pelas informações.

    • psiqueira says:

      Oi Valéria, tenho mais fotos sim, mas é tanta coisa legal que é difícil mostrar todas. Mas aguarde que vou publicar mais, inclusive sobre a comida, que é uma delícia, mas bem apimentada.

  4. roberto says:

    CARACA! Se não fosse o ar rarefeito pela altitude, o folego iria embora do mesmo jeito pelo visual!!! Lugarzinho esperto esse, hein? Tá lotado pr feriadão do dia da criança? Reserva pra mim… Atenção ao seguinte: esse helcóptero É FRIA! GUERRA FRIA, LEMBRA? São os mesmos caras que fazem o LADA que montam ele. LA GARANTIA SO YO em russo. Quando quebra? Sempre! E o cara que você falou que é pastor de ovelha tem um irmão gêmeo flanelinha ali perto do Largo Treze, ou será o cara que vende churrasco grego na ledira Porto Geral,perto da 25 de março? Abraço, continue postando que eu continuo acessando. Ah…quanto gerúndio!

    • psiqueira says:

      Roberto, você acertou me cheio! O lugar é deslumbrante. Uma viagem e tanto. Quando aos Lada, não tem jeito.
      Fora ele, só um pequeno helicóptero francês, que eles também tem. Segundo o major, ele posou no topo do Everest e bateu o recorde de altura.
      Já o russo é pau para toda obra…

  5. regina garjulli says:

    ARRASOU!

  6. airton says:

    Que beleza!

    Nunca me esqueci de sensação , talvez semelhante quando – viajando pela primeira vez p/ Europa, vi a Lua muito abaixo de mim ( porvavelmente nascendo ou se pondo. E era vermelha. Até hoje não sei se eu tava doidão ou se era aquilo mesmo.
    As fotos estão lindas. E a comida? Rola um torresminho???

  7. Deleni says:

    Oi Paulo,

    Acredito que esses breaks é que, de certa forma, compensam as outras imagens de terror e pobreza que você vê aí no mesmo lugar. Essa contradição certamente faz refletir e é daí que tiramos o nosso aprendizado.
    Por falar nisso, as suas fotos aos poucos vão adquirindo um cunho jornalístico, você pega as feiçoes e expressões da terra e da gente daí.
    Bem legal!

    Ah! E os comentários, que gente bem-humorada! Parabéns!

    • psiqueira says:

      Oi Deleni,

      Obrigado por participar do blog.
      Esta é a intenção, compartilhar experiências…
      A vida aqui não é fácil, mas esta viagem foi ótima, e ajudou a aliviar um pouco a tensão.

  8. Tais says:

    Que lindas suas fotos e a narração da viagem mtoo legal..me senti lá…
    Bjs

  9. Luiz Ramos says:

    Quando se escolhe viver em um mundo sem fronteiras, a aventura, o ideal e os sentimentos se misturam. Sem dúvida,, ao final, restará uma história a ser contada.
    Parabéns.

    • Luiz, estou planejando um livro contando as experiências, dificuldades e alegrias de um expatriado. Aguarde. O problema é achar tempo para escrever.
      Mais uma vez, obrigado pela participação.

  10. […] e desempenha uma função das mais nobres – em meio a atentados suicidas mas também tendo acesso a uma cultura que considero fascinante, Paulo é Gerente de TI para a UNICEF, no […]

Leave a Reply